• Centro de Preservação da Memória

Notícias do Memorial

13/03/2020

As eleições de 2002 a procurador-geral de Justiça

Há dezoito anos, os membros do Ministério Público do Paraná se reuniram para eleger o novo procurador-geral de Justiça. Naquela ocasião, quem recebeu mais votos para compor a lista tríplice foi a Dra. Maria Tereza Uille Gomes, que concorreu com os colegas Divonzir José Borges, Jair Cirino dos Santos e Yedo de Faria Pinto Neto.

Dois fatos inéditos marcaram as eleições de 2002: pela primeira vez, uma mulher ocupava o cargo de procurador-geral de Justiça e o fazia ainda na condição de promotora de Justiça.¹

Antes da era digital, a votação para o cargo de procurador-geral de Justiça do MPPR era feita por intermédio de cédulas de papel e urnas de pano, que continham uma pequena boca de metal e eram trancadas com chave. Os eleitores podiam indicar na cédula de votação até três nomes para compor a lista tríplice. A contagem dos votos era manual e os membros da Comissão Eleitoral rubricavam cada cédula.

Cédula de votação utilizada em 2002

 

Nas eleições de 2002, a Comissão Eleitoral, composta por Luciano Branco Lacerda, Danilo de Lima, Dirceu Cordeiro, Reinaldo Prado e Ronaldo Luiz Baggio, recebeu as cédulas de votação dos membros do interior do estado, encaminhadas via Correios, de 18 a 25 de fevereiro. Na capital, a votação ocorreu no dia 25 de fevereiro, das 9h às 17h.

Assim, após o período de coleta de votos, a Comissão Eleitoral proclamou o seguinte resultado: 353 votos contabilizados para Maria Tereza Uille Gomes, 198 votos para o Jair Cirino dos Santos, 54 votos para Divonzir José Borges, 27 votos para Yedo de Faria Pinto Neto, 5 votos brancos, 1 voto nulo e 13 abstenções – na época, a carreira era composta por aproximadamente 460 membros.

Antiga urna de pano utilizada nas eleições do
MPPR até 2004, em exposição no Memorial

 

A lista tríplice foi, então, encaminhada ao governador do Paraná, Jaime Lerner, que nomeou Maria Tereza Uille Gomes por meio do Decreto nº 5362, de 28 de fevereiro de 2002, para o mandato de dois anos como procuradora-geral de Justiça.

Hoje, dia 13 de março de 2020, a carreira elege o próximo procurador-geral de Justiça, que comandará o Ministério Público do Paraná pelo biênio seguinte. A urna de pano e as cédulas de papel deram lugar ao voto eletrônico, via internet, mas o processo eleitoral continua sendo um momento de reflexão sobre os rumos da instituição.


1. Ivan Ordine Righi foi nomeado procurador geral da Justiça em 1971, antes de ser promovido a procurador de Justiça. Entretanto, na época não havia eleição para escolha do chefe da instituição.

Recomendar esta notícia via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem